Guia de Vida Natural
Nutrição de Verdade

Slow Food: a Favor do Comer Bem

Ao pé da letra, "slow food" vem do inglês e significa “comer devagar”. Mas o curioso é que esse movimento, que começou em 1989 na Itália, vai muito além de tentar fazer com que as pessoas comam melhor...

 

A favor da alimentação com prazer e da responsabilidade sócio-ambiental, o slow food é um movimento que vai contra o ritmo acelerado de vida da maioria das pessoas hoje: o ritmo fast food*, que valoriza a rapidez e não a qualidade. Traduzido na alimentação, o “fast food” está nos produtos artificiais, que apesar de práticos, são péssimos à saúde: muito processados e muito distantes da sua natureza - como os lanches cheios de gorduras, os salgadinhos e biscoitos convencionais etc etc.

Agora, vamos deixar de lado o fast e entender melhor o slow food. Segundo esse movimento, o alimento deve ser:
- bom: tão gostoso que merece ser saboreado com calma, fazendo de cada refeição uma pausa especial do dia;
- limpo: bom à saúde do consumidor e dos produtores, sem prejudicar o meio ambiente, nem os animais;
justo: produzido com transparência e honestidade social e, de preferência, de produtores locais.

Deu pra ver que o slow food traz muita coisa interessante para o nosso dia-a-dia. Ele resgata valores tão importantes, mas que muitas vezes passam despercebidos. Não é à toa que ele já está contagiando o mundo todo, inclusive o nosso país.

E você? Quer fazer parte desse movimento também? As dicas a seguir são ótimas para colocar o slow food no nosso dia-a-dia de um jeito prático e bem divertido:

se tiver um cantinho para horta, faça uma em casa. Alimentos fresquinhos têm um sabor super especial e fazem muito bem à saúde. Vasinhos são boas soluções pra quem não tem muito espaço;

conheça melhor o alimento que vai pra sua mesa. Procure saber quem são os produtores, se eles trabalham com produção limpa (com alimentos que não prejudicam a saúde do consumidor nem os trabalhadores, não poluem o meio ambiente, nem exploram os animais durante a produção);

prefira comprar alimentos de produtores locais. Eles gastam menos combustíveis no transporte, e com isso ajudam a diminuir a poluição. Além disso, você incentiva o crescimento dos pequenos agricultores;

ajudar a proteger os alimentos do nosso país para que não entrem em extinção é uma das causas defendidas pelo slow food. Pesquise, procure conhecer a riqueza natural do nosso Brasil e traga-a pra sua mesa. Repasse essa dica aos seus amigos;

faça seu dia ficar cheio de momentos especiais. Isso é mais fácil do que parece, até porque o prazer e a felicidade costumam estar coisas mais simples da vida. Então, tente se “desligar” da  correria por alguns instantes e reserve um tempo para si, para cultivar o bem-estar, pensar em coisas boas. Uma ótima oportunidade para isso é a hora das refeições: procure comer em lugares calmos, em ambientes tranqüilos o suficiente para te deixar “pensar positivo” enquanto saboreia uma comida gostosa, saudável e justa;

cultive relacionamentos que fazem bem pra você. Sempre que puder, arrume um espaço na agenda pra estar na companhia de pessoas agradáveis. Almoços e jantares são ótimas oportunidades pra isso.

E pra levar o slow food à sua mesa, a dica principal é: valorize os ingredientes da terra, principalmente os do solo brasileiro.

Quer uma dica de receita especial Slow Food? Clique aqui.

 

Entrevista cedida por Cláudia Matos, Chef de Culinária Natural, membro do Slow Food e proprietária do Espaço Zym (www.zym.com.br). 

Para mais informações, visite www.slowfoodbrasil.com


* fast food também é um termo que vem do inglês e significa “comida rápida”. Refere-se aos lanches e outros produtos fáceis e rápidos de fazer, mas que apesar dessa vantagem de acompanharem o ritmo de vida tão corrido da maioria das pessoas, também trazem muitos problemas à saúde.


rodapeIMG