Guia de Vida Natural
Nutrição de Verdade

Cuidando da Saúde dos Bebês, Ainda na Barriga


Alguém tem dúvida de que a gravidez é um dos momentos mais especiais pra mulher? Cheia de expectativas, curiosidades e mudanças no corpo (e na mente) da futura mamãe, parece que tudo o que acontece nessa fase é pra mostrar pra ela que tem "um serzinho" muito especial crescendo ali dentro. Momento mais do que importante também pra lembrar à "mama" de que o que ela fizer nessa fase vai refletir em cheio na saúde do bebê por muito tempo.

Então, agora é hora de ver os cuidados que a gente achou bacana trazer aqui pra deixar a grávida e o bebê ainda mais cheios de vida!


MANDE VER NO ÁCIDO FÓLICO! Ou vitamina B9, que é a mesma coisa. O que importa é que ele participa do desenvolvimento do sistema nervoso do bebê, além de evitar a má formação dele ou mesmo o nascimento prematuro. Invista nas fontes naturais de ácido fólico (principalmente nos primeiros 3 meses da gestação): frutas cítricas, folhas verde escuras e grãos integrais como grão de bico e feijão.

 

FERRO + VITAMINA C: DUPLA DE HERÓIS PARA A GRÁVIDA. Enquanto o ferro ajuda a prevenir a anemia na mãe (que aliás, é bem comum nessa fase, já que o bebê tende a "consumir todas as reservas de ferro dela), a vitamina C facilita o aproveitamento desse mineral no corpo da grávida. Em outras palavras, o organismo dela absorve melhor o ferro dos alimentos se for consumido junto com a vitamina C. Fontes boas de ferro são: beterraba, feijões e outros grãos integrais e folhas verde-escuras. Já a vitamina C é encontrada na laranja, no tomate, na acerola e no morango.

 

POR UM INTESTINO MELHOR... FIBRAS! Elas estão na mídia o tempo todo! E não era pra menos! Sem elas, é difícil fazer o intestino funcionar direito. Sem contar que entre as grávidas a tal da "prisão de ventre" é bem comum (parece que o intestino demora mais pra se movimentar e formar o bolo fecal - é o famoso "intestino preguiçoso"). Por isso não dá pra deixar de fora do cardápio da mamãe as frutas com casca, saladas cruas e graõs integrais como arroz, quinua, lentilha e outros.

 

E TAMBÉM ÁGUA, MUITA ÁGUA! Junto com as fibras, ela também dá aquela força para o intestino não ficar preguiçoso. Além disso, a água também ajuda a prevenir um probleminha bem comum entre gestantes, que é a infecção urinária (quanto mais a barriga cresce, mais aperta os canais por onde a urina passa. Aí, pra infecção se instalar, não falta muito. E meta é: pelo menos 2 litros de água mineral todo santo dia.

 

COMIDA LEVE, DIGESTÃO FÁCIL. Taí uma fase em que o corpo já tem que ter tanto trabalho pra dar conta de todas as mudanças, então que não seja a digestão mais um "fardo" pro organismo da grávida. Como? Frutas, verduras, legumes (se cozidos, a vapor), menos gorduras, mais proteínas de fácil digestão (como a quinua e o amaranto, por exemplo). Assim, a mamãe se sentirá mais "leve" e, tanto mãe quanto filho vão aproveitar melhor os nutrientes dos alimentos.

 

FAST FOOD? "NÃO, OBRIGADA!". Produtos lotados de gordura, açúcar, sódio ou mesmo cheios de aditivos artificiais podem fazer o corpo do bebê ficar "viciado" nessas coisas, mesmo durante a gestação. Resultado? Mais tarde, esse "baby" pode se tornar um adulto "vidrado em fast food" (e acho que a gente não precisa dizer o quanto isso é ruim, né?). Ah, sem esquecer que esses produtos aumentam as chances da grávida desenvolver diabetes pré-gestacional, pré-eclâmpsia (pressão alta na gravidez), obesidade etc, etc.

 

TAL MÃE, TAL FILHO... E pra fechar, a gente não podia deixar de falar que a criança repete o que vê os pais fazendo. Comer bem é um ato de amor. Não só de amor próprio, mas também, de amor aos pequenos-grandes herdeiros, que vão querer "imitar" a comida dos pais. Sem contar que desde a gravidez, o que a mãe come influencia diretamente nas preferências do filho mais tarde. Por isso, de olho no prato e na barriguinha, mamãe!


rodapeIMG